Tags

, , , , , , , , , , , , ,

A Ilha de San Andrés localiza-se no Mar do Caribe, há 2 horas de voo da capital, Bogotá. É mais próxima da Nicarágua e Costa Rica do que da costa colombiana propriamente dita. Faz parte do Arquipélago de San Andrés juntamente com outras duas ilhas, chamadas Providencia e Santa Catalina. San Andrés possui uma área de 26 km2 e 90 mil habitantes. Pra você ter ideia, Fernando de Noronha, no Brasil, possui os mesmos 26 km2 e somente 3 mil habitantes (de acordo com o Censo de 2010).

A ilha possui aeroporto internacional, que recebe os voos vindos de Bogotá e conecta às demais ilhas da região. A Ilha de Providencia, por exemplo, possui aeroporto porém é possível chegar lá também em catamarã a partir de San Andrés. O aeroporto é bem pequeno e as aeronaves parecem passar raspando suas asas nos jardim das casas.

Se você está programando ir a San Andrés é recomendável saber que:

  • para entrar no arquipélago é obrigatório o pagamento da taxa de turismo, que não está inclusa na sua passagem aérea. Descobri isso no portão de embarque e precisei desembolsar COP 50.000,00, que podem ser pagos em dinheiro ou cartão, ali mesmo para a funcionária da companhia.
  • água quente no chuveiro é luxo. Certifique-se se o hotel possui esta “regalia” antes de fazer a reserva. E é óbvio que você irá pagar mais caro por um banho quente incluso.
  • o norte da ilha (onde fica o aeroporto) é a região mais habitada, onde você encontra a zona comercial/hoteleira e também ponto de partida dos barcos para Johnny Cay e Acuario.
  • o meio de transporte mais utilizado pelos moradores são motos e pelos turistas são carrinhos de golf e mulas. As mulas são veículos motorizados, à gasolina, que comportam 2 ou mais pessoas, sendo mais rápidos que os carrinhos de golf. Não é necessário possuir carteira de habilitação internacional para dirigí-la. Há muitos locais que fazem a locação, então é bom dar uma pesquisada no preço. Eu paguei COP 130.000,00 (equivalente a R$ 190,00 em 11/03/2017) para 1 dia inteiro numa mula para 2 pessoas. Não tem marchas nem retrovisor, é só acelerar e “tácale pau nesse carrinho, Marcos”. As leis de trânsito não são beeeem obedecidas. Não se usa capacete e não tem limite de pessoas e/ou animais em cima da moto. Não se respeita faixa de pedestres (com raríssimas exceções) e você dirige do jeito que quiser: no meio da rua, do lado esquerdo, direito…
  • os nativos buzinam muito e o tempo todo. Como nas mulas não tem retrovisor e normalmente são turistas que estão pilotando, os motociclistas buzinam antes de ultrapassar. Assim você já fica esperto que vem alguém atrás.
  • a ilha é duty free mas não se iluda. Isso não significa que você irá encontrar boas ofertas. Além do limite de bagagem permitido ser somente de 23 kg por passageiro, os preços não compensam, dependendo do produto. Tem muitas lojas vendendo produtos xing ling. As recomendáveis são Classic, Presidente, Madeira e Riviera. Desconfie dos preços muito baixos especialmente quando te oferecem perfumes.
  • falando em limite de bagagem, a LATAM é muito rigorosa (ao menos no aeroporto da ilha) neste quesito. Para cada quilo excedido, é cobrado US$ 12,00 (doze dólares, você leu certo!) que devem ser pagos na hora do check-in, em dinheiro ou cartão, sem choro nem vela. Eu tive que desembolsar US$ 48,00 por míseros 4 kg.
  • não leve muita roupa. Você vai passar o dia usando biquíni/maiô/sunga. Seja econômico com o tamanho da sua bagagem se a intenção é fazer compras por lá ou nas várias lojas duty free do Aeroporto El Dorado em Bogotá.
  • na ilha há vários restaurantes, inclusive alguns com menu em português. Fast-food somente Subway e El Corral (rede colombiana). Os pratos giram em torno de R$ 50,00 reais por pessoa (os mais simples). Já um prato de lagosta custa em torno de R$ 150,00. Vinho é muito caro, afinal são todos importados. Aproveite e beba bons Mojitos e Margaritas, e também Limonada de Coco ou Hierbabuena. São deliciosos!
  • reserve o passeio de parasail já no primeiro dia, pois existe somente uma empresa autorizada e é super concorrido. Eu não consegui fazer pois deixei para o último dia e não tinha mais vaga. Custa COP 160.000,00 por pessoa, o equivalente a R$ 230,00 (cotação de março/2017)
  • compre o ingresso para Johnny Cay e Acuario na cooperativa de barqueiros. É uma casinha amarela que fica na praia do centro. Os preços são mais baratos dos que te oferecem na rua.
  • Johnny Cay: é a ilha que fica em frente à praia do centro. Tem várias barraquinhas que vendem comida e bebida. Alguns dizem que não há nada pra fazer lá e que não vale a pena ir. Na minha opinião, nada mais relaxante do que estender uma canga aos pés de um coqueiro e admirar o mar de sete cores.
  • Acuario: é uma barreira de corais no meio do mar. Os nativos jogam ração ou pão e os peixes ficam alvoroçados em volta das pessoas. Tem muita gente e é altamente recomendável verificar o horário que você vai.
  • snorkel e sapatilha é indispensável em qualquer passeio em San Andrés. Se você não tem, pode comprar na ilha por preços mais acessíveis que no Brasil.
  • infra-estrutura não é o ponto forte. Há vários edifícios sendo construídos, mas os imóveis precisam de reformas. As ruas e calçadas estavam esburacadas, as fachadas de vidro das lojas estão sempre sujas devido à maresia (ou à falta de limpeza mesmo hahahaha), há muito lixo nas ruas e também na beira da rodovia que circula a ilha. Lixo é um problemão pra eles, pois paga-se uma taxa muito alta. O lixo orgânico é processado e jogado no mar e o lixo inorgânico é levado para o continente através de navios. Acredito que os que não tenham condições financeiras para pagar pela taxa acabam despejando o material em local indevido. Não quero crer que seja má educação da população. Afinal, elas moram em um paraíso e que se não for preservado, já sabemos o que acontece.
  • segurança: você pode curtir a praia e deixar sua sacola/chinelo na areia que estará ali na volta. Há policiamento nas ruas e andar à noite não é um problema, mesmo sozinha.
  • não há casa de câmbio oficial, somente bancos. Cartões de crédito e débito são bem aceitos na maioria dos estabelecimentos. Os preços são expressados em COP, pesos colombianos.

Acredito que o básico está aqui. No mais, divirta-se muito! Se você tem alguma dúvida, me escreva, talvez eu possa te ajudar!

Anúncios